sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

Conheça o Vale do Silício com jeitinho bem mineiro

O Estado de São Paulo - Tecnologia - 19/12/2014 
O mundo tem produzido algumas versões para o Silicon Valley, região famosa por reunir empresas de alta tecnologia na Califórnia. Poucas, entretanto, são tão pitorescas quanto a instalada em Santa Rita do Sapucaí, cidade localizada no sul do estado de Minas Gerais.

O lugar é um vale entre serras e fazendas de leite e de pés de café. Mas engana-se quem pensa que a vocação econômica local gira em torno das atividades do campo, como sugere a visão das ruas de paralelepípedos, comércio tímido e alguns cavalos atados de frente para portões.

Dos 38 mil habitantes de Santa Rita, 14 mil (37%) dão expediente em firmas cujo capital intelectual é a matemática binária da eletrônica. Lá existem 153 empresas, três a mais do que em 2012. Descontando as dez consideradas de grande porte (uma delas, a Linear, foi comprada pela japonesa Hitashi), as 143 que restam são micros, pequenas e médias, majoritariamente jovens e que movimentam um faturamento anual projetado em R$ 2,7 bilhões para 2014, 12% a mais em relação ao desempenho de 2013.

Em tempos de empresários com os pés no freio, Santa Rita experimenta uma onda de investimento, mais modesto que nos últimos quatro anos, é verdade, quando avançou em média 30%, mas ainda assim acima da média do País. A explicação vem do perfil dos negócios, em sua maioria dedicados à cadeia de telecomunicações – uma área que corre atrás do prejuízo em infraestrutura – e todos dirigidos à demanda corporativa.

Um caso prático disso é o da Petcom, especializada em projetos de cabeamento e ‘conectorização’ de fibras óticas. Fornecedora de empresas como a Vivo, a Petcom saltou de um faturamento de R$ 23 milhões em 2013 para os R$ 40 milhões estimados para este ano. O número de projetos com a participação da empresa cresceu exponencialmente e, para custear o ganho de escala, ela está para inaugurar um novo galpão que vai ampliar de 2,2 mil para 5 mil metros quadrados sua área construída, saindo de 105 para 293 funcionários.

“A gente pode dizer que, em um momento em que a indústria vai mal, aqui é como se fosse um Brasil que dá certo”, resume Roberto de Souza Pinto, presidente do Sindicato das Indústrias de Aparelhos Elétricos, Eletrônicos e Similares do Vale da Eletrônica (Sindvel) – Vale da Eletrônica é a marca cunhada pelo marketing para alavancar o polo nacionalmente.

A animação do líder sindical esconde alguns problemas na região, como a escolha pouco lucrativa de alguns empresários pela produção de sistemas de circuito fechado de televisão, um nicho há anos controlado pelos asiáticos e que oferece baixa margem de lucro no mercado. Mas os bons exemplos, indubitavelmente, superam os maus.

“A maioria das empresas está bem porque houve investimento em inovação e eficiência, com certificados de qualidade”, conta Marcos Goulart Vilela, que abriu em 1983 a segunda empresa de eletrônica da cidade, a Leucotron, hoje com 170 funcionários e R$ 40 milhões faturados. “Graças a esse investimento conseguimos sobreviver à abertura das importações na época do Collor”, conta.

O investimento em educação, que está por trás da estruturação do polo (leia mais sobre isso nesta página), também é fundamental para a região sobreviver aos importados. “O que fazemos é criar coisas novas o tempo todo”, afirma Carlos André Salvador, dono da Biquad Tecnologia. O empresário de Mococa, interior de São Paulo, chegou a cidade para estudar na Inatel, referência em formação de engenheiros para a indústria de telecomunicação.

“Eu estudei aqui e como encontrei um ecossistema todo montado, fiquei”, conta o empreendedor, que hoje desenvolve equipamentos para radiodifusão e atualmente fatura R$ 3 milhões. “Eu tenho de 10 a 15 fornecedores para tudo que preciso localizados a cinco quilômetros daqui”, afirma Salvador, revelando outro dos segredos da região.

segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

ETE FMC: escola investe na formação pedagógica e humana

Santa Rita do Sapucaí, 01 de dezembro de 2014 – “O ambiente da ETE-FMC é muito gostoso. Estudei em período integral, ficava na escola por 8 horas e queria sempre ficar mais”, diz a ex-aluna Mylena Rocha, 18 anos, formada em 2013, no curso técnico de Controle e Automação e no Ensino Médio da ETE.

“Fazendo técnico e Ensino Médio ao mesmo tempo, eu só podia pensar em estudar”, diz a ex-aluna. Logo que saiu da escola, entrou na faculdade Inatel – Instituto Nacional de Telecomunicações e também conseguiu um emprego em uma empresa da região, onde trabalhou com equipamentos agrônomos. “A ETE é assim, você sai de lá com um emprego garantido na área técnica em que se formou”, conta a ex-aluna.

A rotina de João Pedro Rocha, de 17 anos, não é diferente. Ele também cursa o técnico em Controle e Automação à noite e, pela manhã, o Ensino Médio. “À tarde é preciso estudar. Os dois períodos dão muito conteúdo.” O estudante destaca a assistência que a escola oferece. “A biblioteca é completa, tem todos os livros que os alunos precisam, mesmo para áreas específicas.”

Mylena e João comentam sobre a preocupação da ETE com o aspecto humano, que é muito destacado nos trabalhos em grupo propostos pelos professores. “Na ProjETE – Feira de Invenções, por exemplo, promovida pela ETE, há um incentivo para um grande envolvimento e interação dos alunos. Todos tinham que por a mão na massa”, explica Mylena. E João Pedro concorda: “Essa oportunidade de fazer trabalho em grupo incentiva a convivência e também é um ponto observado e valorizado pelas empresas”.

Já o ex-aluno Cleber dos Santos, 34 anos, formado pela ETE em 2006, no curso Eletrônica com ênfase em Telecomunicações, fez o curso técnico noturno, dividindo seu dia com o trabalho na empresa MCM Tecnologia Industrial, fabricante de fontes e nobreaks. “A ETE foi responsável por me dar fundamentos na área de eletrônica. Na escola, aprendi o que seria o alicerce para a minha carreira e descobri o caminho a seguir. Foi graças à escola técnica que comecei a gostar de eletrônica e decidi por esse rumo”

Santos diz que, logo que entrou na ETE, foi promovido e isso continuou, gradativamente, ao longo dos dois anos em que estudou na instituição. “Minha gama de conhecimento aumentava, meus chefes na empresa percebiam isso e aproveitavam no trabalho”. Hoje estuda e trabalha na Instituto Nacional de Telecomunicações. “Nunca podemos deixar de aprender mais. Agora percebo como a base que ETE me deu foi importante, tanto para minha vida profissional quanto para a acadêmica”, finaliza.

A ETE está com inscrições abertas para o Processo Seletivo do curso técnico e Ensino Médio até o dia 3/12, pelo site www.etefmc.com.br, ou direto na secretaria. Mais informações pelo telefone (35) 3473-3600. O ensino técnico tem prova dia 6/12. Garante vaga o desempenho alcançado na prova. Já o EM não tem prova, garante vaga por ordem de chegada.

ETE FMC – Desde sua fundação em 1959, a ETE FMC (www.etefmc.com.br), da Rede Jesuíta de Educação, passou a ser referência em educação por abrigar a primeira escola de eletrônica de nível médio da América Latina e a sétima no mundo, que atrai estudantes de todo o País. Com cerca de 750 alunos, nos períodos diurno e noturno, oferece os cursos de Automação Industrial, Telecomunicações e Equipamentos Biomédicos, além de Ensino Médio. A região é conhecida como o “Vale da Eletrônica” - referência ao Vale do Silício na Califórnia (EUA) - de onde muitos produtos e sistemas tecnológicos inovadores são lançados para o mercado nacional e internacional. Boa parte deles nasce dentro da escola.

quinta-feira, 27 de novembro de 2014

Quem saberia dizer do que se trata esta foto? (Clique na imagem para ampliar)

Empório de Notícias - Edição 83 - Dia 29 de novembro, nas bancas!

Nesta edição do Empório de Notícias:

1) Adir Canestraro e as voltas que a vida dá.
2) Dona Iracema conta sua vida e as lendas da Rua Nova.
3) Arquivos da Folha de São Paulo revelam arquivos da História de Santa Rita: 
O que aconteceu com mulher e filho, após a morte de Fernando da Gata?
Quem foi a atriz santa-ritense, Wanda Cosmos?
- Gegê fala sobre o santa-ritense Heriberto Cunha
- Queda de avião em Santa Rita
4) Danlary Tomazini desvenda o imenso coração de Dona Maria
5) Ivon Pinto fala sobre o galo de presépio
6) Rita Seda e as "brincadeiras de viagem"
7) Notícias da FAI, Inatel, ETE, Leucotron e Colégio Tecnológico
8) Salatiel Correia avalia o excelente desempenho de Aécio em Santa Rita
9) A Infância de Hermann Nass em Santa Rita
10) Marcos Goulart Vilela é agraciado com a Comenda Delfim Moreira

Tudo isso e muito mais, na nossa próxima edição! Imperdível!

quarta-feira, 19 de novembro de 2014

Modelo revolucionário de educação favorece alta procura por técnicos formados em Santa Rita do Sapucaí

Faltando menos de 20 dias do Processo Seletivo da ETE FMC, um bom número de alunos tem realizado as inscrições para os cursos técnicos ou para o Ensino Médio. Algo que tem chamado a atenção dos candidatos é a oportunidade de realizar o Curso Técnico Noturno, enquanto realiza o Ensino Médio em outras instituições. “Quem começou a realizar o Médio em outra instituição pode se tornar um profissional bem-sucedido em apenas dois anos, estudando à noite na ETE. Esta é uma boa oportunidade de garantir uma carreira promissora, de forma rápida e eficiente.” – conta Alexandre Loures Barbosa, Diretor Geral ETE. 
Com um modelo de educação em “três dimensões”, a instituição promove o aprendizado com foco principal em três vertentes: o uso da tecnologia no processo educacional (inclusive para o Ensino Médio), a preparação para o vestibular e a formação humana ou integral. Tal característica faz com que a instituição ofereça um aprendizado amplo, capaz de colocar seus alunos em um patamar diferenciado e altamente promissor.

O excelente nível dos profissionais formados pela ETE tem feito com que conceituadas empresas do setor petrolífero ou de alta tecnologia procurem a escola em busca de talentos, antes mesmo de os alunos terminarem seus cursos. Tais profissionais têm conquistado salários diferenciados, uma vez que há escassez de mão-de-obra, tanto de bons técnicos, quanto de engenheiros. 
Muitos alunos optam pelos cursos técnicos ou pelo ensino médio, mas decidem prestar vestibular para faculdades públicas ou privadas, após a formatura. O que se verificou nos últimos anos foi um cenário favorável aos alunos preparados pela instituição. A grande maioria tem se saído bem nas provas e conquistado vagas nas melhores faculdades do país. O juiz de Direito, Fabrício Reali Zia, por exemplo, prestou vestibular para direito após o término do curso e conta que ter estudado na ETE foi fundamental para o sucesso de sua carreira. O mesmo aconteceu com José Tarcísio que, hoje, estuda doutorado na França. Há casos de uma aluna que se formou no final do ano passado e, antes do término do primeiro semestre de 2014, já tinha sido aprovada em 4 faculdades públicas. Exemplos assim acontecem frequentemente e sinalizam que as apostas feitas pela instituição andam mais certeiras do que nunca.

Os interessados em se inscrever para o Processo Seletivo, devem acessar o site etefmc.com.br ou procurar a secretaria da escola. O telefone de contato da Instituição é (35) 3473 3600)

Empresas do Vale da Eletrônica são destaque em premiação industrial

Comenda Sinhá Moreira" reconhece companhias que contribuíram para o desenvolvimento da região, que abriga um dos maiores centros tecnológicos do país; Biquad e Petcom foram as empresas ganhadoras do prêmio Uma das premiações de maior renome do setor industrial de Minas Gerais, a "Comenda Sinhá Moreira" foi criada com o objetivo de reconhecer personalidades e empresas que contribuíram diretamente para o desenvolvimento tecnológico, industrial, econômico e social do Vale da Eletrônica, um dos maiores polos de tecnologia do Brasil, localizado em Santa Rita do Sapucaí, no Sul Minas Gerais. Na edição desse ano do prêmio, duas companhias do Arranjo Produtivo Local (APL) foram ganhadoras da medalha: a Biquad Tecnologia, na categoria "Empresa Inovadora", e a Petcom – Peltier Eletrônica e Telecomunicações, que venceu como "Empresa com Maior Crescimento do Número de Funcionários". A cerimônia de entrega da Comenda será realizada no dia 25 de novembro, no Salão de Eventos do Instituto Nacional de Telecomunicações (INATEL), Em Santa Rita do Sapucaí. 
Promovida pela Associação Industrial de Santa Rita do Sapucaí (AISRS) e pelo Sindicato das Indústrias de Aparelhos Elétricos, Eletrônicos e Similares do Vale da Eletrônica (SINDVEL), a Comenda Sinhá Moreira será entregue à Biquad, em reconhecimento ao elevado nível de inovação tecnológica alcançado com o "Encoder de RDS/RBDS Acadia", um processador de áudio digital que transmite dados através de ondas de rádio analógico. "Pensamos em um produto que possibilitasse às emissoras de radiodifusão enviar diversos tipos de informações em formato de texto para os ouvintes, como nome das músicas que estão tocando, notícias, publicidade e outras informações que compõem a grade de programação", explica a diretora da empresa, Mariana Mendes. A tecnologia, já difundida na América do Norte e na Europa, é a primeira inteiramente produzida em território nacional e se configura como uma solução para substituir as importações e potencializar o mercado interno. 

Na categoria Empresa com Maior Crescimento do Número de Funcionários, a Peltier, que também atua no segmento de telecomunicações, se destacou entre as candidatas e ficou com o primeiro lugar. A companhia quase triplicou o número de colaboradores em apenas um ano, como afirma o diretor-presidente Mário César Moreira. "De agosto de 2013 a julho desse ano, passamos de 105 para 293 funcionários, um crescimento de quase 200%, inauguramos uma sede própria e estamos como uma excelente aceitação no mercado, em função dos nossos produtos e processos inovadores", diz. 

Para o presidente do SINDVEL, Roberto de Souza Pinto, a Comenda Sinhá Moreira é uma forma de valorizar e incentivar o trabalho dos empresários do APL. "O prêmio busca motivar o trabalho dos empreendedores de Santa Rita do Sapucaí, de modo que a região se consolide cada vez mais como referência nacional no setor eletroeletrônico e continue ampliando as suas exportações", afirma. Além das empresas, a condecoração também premiará o Deputado Federal Olavo Bilac Pinto Neto, como Personalidade Ilustre do ano, que reuniu esforços para o desenvolvimento do Vale da Eletrônica, como importante polo gerador de tecnologia e inovação do país.
Deputado Bilac Pinto receberá Comenda como Personalidade Ilustre do Ano.
Produtos inovadores para a educação 

A Exsto Tecnologia, companhia que fabrica equipamentos voltados para o ramo de didática tecnológica, também concorreu na categoria "Empresa Inovadora", com o "Qualificação Móvel", um laboratório totalmente portátil, que visa impulsionar a educação em tempo integral auxiliando as instituições de ensino que queiram levar qualificação para locais que não possuem uma estrutura própria. A solução foi criada a partir da demanda de cursos do Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (PRONATEC), podendo chegar, por exemplo, a presídios e a locais de difícil acesso. A peça é composta por 5 bancadas, 4 para atender aos alunos e uma para o professor, que também conta um quadro branco e uma TV. Todos os materiais de consumo utilizados, como cabos conectores e fios também são fornecidos pela Exsto.

segunda-feira, 17 de novembro de 2014

Existe amor em Santa Rita? (Por Danlary Tomazini)

Pauline conheceu o Rafael em uma sala de bate-papo da Uol. Trocaram MSN, Orkut e, dois anos depois, foram morar juntos, com apenas uma geladeira, um colchão e toda coragem que o amor proporciona para realizar em conjunto. Oito anos se passaram e a escolha de envelhecer ao lado um do outro se fortalece a cada desafio.
Fabiana deu o primeiro passo: pediu o Demétrio em casamento, quando completaram cinco anos de namoro e ele disse sim, sem pestanejar. Há 18 anos se completam, mesmo agora, enquanto ele faz ‘as vezes’ de mãe e ela de pai, uma forma de manter os filhos fortalecidos e em união para enfrentar os problemas de saúde do filho mais velho. Fabiana afirma e confirma que só um casal que se ama supera todas as dificuldades juntos.   

Há alguns anos, Cleverton andou quilômetros embaixo de chuva, só para passar algumas horas com Bruna Elisa, sob o vigilante olhar dos pais da moça. Um amor que começou ainda na infância e que enfrentou muitos desencontros para, hoje, finalmente, desfrutar a convivência diária e a descoberta um do outro no matrimônio.

“Quem disse que para estar junto precisa estar perto?” disse Ursula se referindo ao seu esposo Caio. A paixão dos dois começou ainda na adolescência, resultou em filhos lindos, se transformou no amor que supera a diferença de idade e enfrenta a distância, diariamente, sem deixar de somar.
Sirlei e Luís Roberto. 28 anos de casados e ela conta que, ao olhar para ele, sente os mesmos “tremores” de quando o viu pela primeira vez. Luís liga todas as manhãs só para dar um bom-dia e, mesmo depois de dividir uma vida inteira, sentem prazer em fazer tudo juntos, dividindo os mais simples momentos do dia-a-dia. Um legítimo romance que faz qualquer pessoa sorrir ao ouvir os detalhes. 

Em meio a tanta discordância, intrigas e palavras torpes correndo soltas pelo mundo, pessoas encontraram maneiras de transformar as diferenças, viver como um só e se alegrar compartilhando isso. E eu pergunto: em Santa Rita tem amor? Tem também. Tem, sim senhor.  

Oferecimento: Zomng Comunicação

Cursos técnicos são opções rápidas para entrar no mercado de trabalho

Estar apto em dois anos para atuar em um mercado de trabalho competitivo é uma das vantagens de cursar o técnico noturno. Quem ingressa na área consegue a tão cobrada qualificação profissional em curto prazo e o acesso rápido à carreira profissional com a facilidade de obter uma vaga de estágio dentro da sua área de atuação antes de se formar.
A Escola Técnica de Eletrônica “Francisco Moreira da Costa”, referência em eletrônica por ser a primeira escola de nível médio da América Latina, oferece cursos técnicos noturnos nas áreas de Automação Industrial e Telecomunicações para aqueles que já concluíram o ensino médio e buscam a especialização para acompanhar a demanda do mercado de trabalho.

No entanto, desde 2013 é possível que alunos matriculados no segundo ano do ensino médio, possam ingressar no curso técnico noturno. “É uma excelente oportunidade para os estudantes continuarem o ensino médio paralelamente com o técnico noturno. Em dois anos concluirá ambos os cursos, e estará apto a iniciar sua carreira profissional. Tendo a possibilidade de ele mesmo custear sua faculdade”, explica o coordenador do curso técnico da ETE FMC, Prof. Eduardo Abranches.

Essa foi a escolha de João Paulo de Lima Almeida, de 17 anos, estudante do ensino médio na E. E. “Dr. Delfim Moreira” e aluno da ETE FMC no curso noturno. “Conhecemos muitos casos de sucesso de ex-alunos da ETE, agora temos esta oportunidade de cursar o técnico noturno conciliado com o ensino médio”.

Vale ressaltar que a escola mantém um banco de dados com ofertas de emprego e estágio disponíveis aos alunos e ex-alunos. “Em 2014 várias empresas vieram até nós em busca de mão de obra, pois alegam escassez de profissional qualificado. Até o momento foram ofertadas mais de 150 oportunidades de emprego e estágio por empresas de todo país nas mais diversas áreas, inclusive na área petrolífera, conhecida pela alta remuneração dos colaboradores”, explica Prof. Eduardo.

A ETE FMC encontra-se com as inscrições abertas para o processo seletivo 2015 para os Cursos Diurno, Noturno e Ensino Médio Regular. As provas serão realizadas dia 06 de dezembro, lembrando que para o ensino médio, basta fazer uma inscrição.

domingo, 16 de novembro de 2014

Opinião: A primeira impressão é a que fica (Por Carlos Romero Carneiro)

Na última semana, uma publicação em um grupo do Facebook criticava o estado de nossa rodoviária e muitas pessoas reclamavam do desgaste da estrutura, do comércio de cachaça em um local frequentado por crianças e famílias, das condições dos banheiros, dentre outros problemas. Talvez um exercício interessante fosse procurar entender o que a rodoviária representa para Santa Rita do Sapucaí e as oportunidades que teremos ao mantê-la em boas condições. 
Quando um viajante desembarca ou passa por aqui de ônibus, o primeiro contato que tem com a cidade é na rodoviária. Construída na década de 70, me parece que o piso nunca foi trocado, as reformas foram bem superficiais e os pontos comerciais poderiam ser melhor explorados. Se a primeira impressão é a que fica, que julgamento um turista faria ao tomar contato com essa realidade? É um ponto a se ponderar.

Se estamos falando de um ambiente que é utilizado pela grande maioria dos nossos moradores, por que não colocar um piso de boa qualidade (mármore ficaria ótimo!), fazendo o mesmo em meia parede e oferecendo o restante da superfície para nossos artistas realizarem suas pinturas? Imagina como seria atraente se um turista chegasse aqui e encontrasse ilustrações como as que foram feitas na boca da ponte, com bancos limpos e pisos reluzentes! Logo de cara, a pessoa perceberia que está diante de uma cidade diferenciada! Uma Cidade Criativa!

Quanto aos pontos comerciais, sou absolutamente contra o comércio de bebidas, por julgar que tal prática favorece uma grande aglomeração de pessoas alcoolizadas que disputam lugar com quem está ali por necessidade. Ao meu entender, as lanchonetes poderiam ser mais descoladas, com aparência mais cleam e que ajudassem a transmitir essa sensação de modernidade que o Vale da Eletrônica exige. Mais do isso, poderiam ser uma excelente vitrine para os produtos típicos do município. Já pensou se as lanchonetes fossem incentivadas a vender pão-cheio, pão de queijo, pasta-flora, pão com linguiça ou pernil, sucos e sanduíches naturais? As oportunidades poderiam ser muito maiores para consumidores e comerciantes!

Um amigo meu costuma dizer que no momento da dificuldade, enquanto uns choram, outros vendem lenços. Taí uma excelente oportunidade de transformar o local na rodoviária mais bacana do país. Para isso, temos um bom número de pessoas dispostas a oferecer ideias e contribuir no que for necessário. Se, algum dia, construírem a nova rodoviária, em um outro local, teremos na cidade um excelente ponto de circular. Acredito que com uma ação nesse sentido, a população deve ficar muito satisfeita e orgulhosa. Sem intenção de tecer críticas, mas de contribuir com o município, fica aqui a minha sugestão.

PS: Gostaria de evidenciar que a "opinião" que publiquei não é uma crítica à Câmara, aos vereadores, à Prefeitura, ou ao prefeito. Foi uma forma de oferecer sugestões para melhoria de uma infraestrutura tão importante ao município. O texto deve ser visto como uma "oportunidade" e não como uma crítica.

sexta-feira, 14 de novembro de 2014

Semana do Empreendedor terá presença de cineasta consagrada

Na próxima semana será realizada a 10ª Edição da Semana do Empreendedor, promovida pelo Inatel. Confira o que vem por aí...
Neste ano, 3 eventos do seminário serão gratuitos e totalmente abertos ao público externo. São eles:

-Seis palestras de empreendedores de sucesso;
-Minicurso dirigido à Empresários em geral;
-Rodada de investimentos, coordenada por um "braço" da Anjos do Brasil, onde Em-presas/Startups locais e da região se apresentarão a potenciais investidores anjo da região.

Palestra de Abertura ocorrerá na próxima terça-feira com o tema Empreendedorismo Social/Pessoal, com a Cineasta Mara Mourão.

quarta-feira, 12 de novembro de 2014

Capacitação Digital na UAITEC de Santa Rita

Aconteceu dia 07/11/2014 na UAITEC de Santa Rita do Sapucaí gerida pela “Escola Técnica de Eletrônica FMC”, a entrega de certificados para as professoras da” Escola Municipal Coronel Joaquim Inácio”.

O curso “Colaboração na Sala de Aula Digital” através do Projeto Intel Educar tem por objetivo levar o Programa de Formação de Professores, aos educadores de Minas Gerais para enriquecer suas estratégias de ensino com o uso das TIC nas escolas. É mais um curso gratuito aplicado na REDE UAITEC de Santa Rita do Sapucaí em parceria com a Intel que visa oferecer cursos online aos professores da rede municipal de ensino de minas gerais, auxiliando-os a integrar tecnologia em suas aulas com a metodologia de aprendizagem baseada em projetos.

O programa já está sendo aplicado na “Escola Municipal Coronel Joaquim Inácio” do nosso município onde os alunos utilizam da tecnologia para construção do conhecimento e da colaboração em sala de aula.

terça-feira, 11 de novembro de 2014

Empresário Marcos Goulart Vilela é agraciado com Comenda Delfim Moreira

Na noite de 10 de novembro de 2014 a Loja Maçônica Caridade Sul-Mineira, de Santa Rita do Sapucaí, agraciou o empresário Marcos Goulart Vilela, ex-presidente do Sindvel, com a Comenda Delfim Moreira. Tal distinção é oferecida anualmente a pessoas que trabalharam em benefício da comunidade. As principais autoridades locais e representantes de diversas entidades e associações prestigiaram o evento que contou com um grande número de visitantes. Ao final da solenidade, foi oferecido um coquetel aos presentes, momento em que puderam cumprimentar o homenageado pela conquista. 
Uma breve história de Marcos Goulart Vilela

Se o “Vale da Eletrônica” é reconhecido mundialmente pela excelência de suas empresas e serviços, devemos muito ao empresário Marcos Goulart Vilela, cujo papel foi fundamental em nosso processo de industrialização. Desde que retornou a Santa Rita, após curto período em São Paulo, o santa-ritense criou uma das mais sólidas e reconhecidas empresas de tecnologia do país e emprestou toda a sua capacidade na promoção de nossas entidades assistenciais. Enquanto a Leucotron se consolidava no cenário tecnológico brasileiro, Marcos ajudou o Paulinho Dentista a concretizar o Vale da Eletrônica, ao acompanhá-lo e apoiá-lo em diversas iniciativas. O empresário também participou da criação da primeira Feira Industrial do município, foi presidente do Sindvel e da Associação Industrial, amparou iniciativas comunitárias e gerou centenas de empregos.

De maneira espontânea, Marcos sempre atuou como uma ponte entre os empresários que aqui chegavam e a comunidade. Como nasceu em Santa Rita, coube a ele aproximar os empreendedores de nossos conterrâneos e ser um facilitador para que o sonho do Vale da Eletrônica se concretizasse. Com grande solicitude, o empresário ajudou a plantar uma essência cooperativista, onde um empreendedor colaborava com outro, já que eram praticamente inexistentes as firmas prestadoras de serviços. 

Além de desempenhar papel fundamental na consolidação de nosso Arranjo Produtivo Local, que gera milhares de empregos, Marcos possui um forte compromisso social. Nos oito anos em que foi presidente da Casa de Assistência aos Pobres e Idosos (Asilo), o empresário dedicou-se a revitalizar a instituição e adequar as suas instalações aos padrões da ANVISA. Mais do que ajuda financeira, empregou boa parte do seu tempo em benefício de uma causa nobre e grandes obras foram empreendidas como a construção de um galpão para eventos, a reforma de todas as casas dos idosos e a construção de um bazar que, até hoje, gera recursos à entidade.

Todas as entidades de Santa Rita contam com equipamentos e assistência gratuita da Leucotron, empresa em que Marcos Vilela é sócio. Ao ser questionado sobre a iniciativa, o empresário diz que é uma forma que ele e seu sócio, Dílson Frota, encontraram de retribuir aos santa-ritenses o que receberam nesses anos todos. Lá no começo, a prefeitura nos doou este terreno. Desde então, decidimos que retribuiríamos colocando nossos produtos a serviço das entidades e passamos a instalar nossos equipamentos em diversos locais como prefeitura, hospital, Asilo, APAE, delegacia e escolas. Quando os equipamentos ficam velhos, são trocados e nós prestamos assistência, como forma de desempenhar um papel social.

Se hoje perguntarmos aos 250 colaboradores da Leucotron, como é trabalhar na empresa, muitos citarão o respeito, a valorização das pessoas e o profissionalismo de seus sócios como elementos fundamentais na rotina da empresa. Com atuação em diversos países e mais de 400 revendas no Brasil a Leucotron foi considerada, por diversas vezes, uma das melhores empresas para se trabalhar no Brasil pelos principais rankings nacionais e considerada uma das 25 empresas mais inovadoras do Brasil pela Revista Época Negócios (2009).

Para finalizar, uma pequena história que ilustra a humildade e a doação de Marcos para o município:

 “Em 1991, fui festeiro na Festa de Santa Rita e um amigo teve a ideia de montar um bar para levantar dinheiro. Como estava na moda a Oktoberfest, o nosso barzinho chamou “Okbarfest”. No primeiro dia, o movimento foi impressionante. Lá pelas tantas, soubemos que dois estudantes do Inatel estavam dizendo que tinham perdido a comanda e queriam dar o cano. Eu fui conversar com eles, disse que teriam que pagar um valor estipulado no caso da perda e eles disseram que não tinham dinheiro. Então eu pedi que deixassem um documento e que voltassem no outro dia para pagar. 

Eles perguntaram: 'E se a gente não quiser pagar?'
- Eu respondi: 'Vai ficar desagradável porque está todo mundo comentando que são dois alunos do Inatel que estão dando problema. Isso deprecia o próprio Inatel.'
- Daí um deles retrucou: 'E por que você está tão preocupado se vamos depreciar o Inatel?'
- E eu falei: 'Porque eu estudei lá e tenho o maior carinho por esta entidade!'
- E um deles falou: 'Mas você não se formou, né?'
- Quando eu respondi que era formado lá o outro virou pra gente e falou: 'Acho melhor a gente pagar. Coitado! Se esse cara formou no Inatel e até hoje está trabalhando como balconista de bar é porque a coisa está feia mesmo!'"

oferecimento:

Renomado Chef nasceu em Santa Rita do Sapucaí

Henrique Cardozo por ele mesmo:

Nasci em Santa Rita do Sapucaí e, desde pequeno, vi a minha avó materna cozinhando. O aroma da tradicional culinária mineira me cativou desde então. A Cozinha sempre foi o principal cômodo da casa, e foi aí que nasceu a vontade de ser um alquimista dos sabores!
Minha jornada gastronômica iniciou-se no Restaurante Carluccio´s, localizado em Londres, na Inglaterra, onde trabalhei nos setores de Garde Manger (comidas frias), Pasta Chef & Risottos e Carnes & Grelhados. Como consequência, conquistei o cargo de Sub-Chef do restaurante, o que contribuiu para que eu me tornasse um especialista na Culinária Italiana.

Pelo bom trabalho desempenhado no Carluccio´s, fui gratificado com um estágio de três meses com um dos ícones da culinária mundial, o Chef Jamie Oliver. Após esta maravilhosa oportunidade, fui convidado para trabalhar, por uma temporada, no time de futebol mundialmente conhecido, o Chelsea Futebol Club, onde adquiri vasta experiência em grandes buffets.

Interessado em ampliar meus conhecimentos gastronômicos, aceitei o desafio de chefiar, por oito meses, o pub JD`Weatherspons da cidade de Brighton – Inglaterra, pertencente a uma das maiores redes de pubs londrinos.

Após um ano e meio longe do Brasil,  resolvi retornar para cursar, na Faculdade FMU – São Paulo, a segunda graduação tão desejada: A Gastronomia. (Minha primeira graduação é Turismo – Faculdade SENAC).

Seguindo na profissão, passei a chefiar um dos hospitais mais antigos de São Paulo, o Hospital Santa Catarina, no qual permaneci por  mais de um ano. Finalizei minha jornada empregatícia na cidade de São Paulo, no restaurante Limonn, do Chef Christian Burjakian, cuja área de minha responsabilidade era a de Risottos & Acompanhamentos.

Após obter uma grande experiência profissional, decidi disseminar meu conhecimento e desenvolver minhas próprias alquimias gastronômicas. Para isso, escolhi a cidade de Ribeirão Preto e região, onde trabalho como Personal Chef, ministro aulas particulares de gastronomia (individuais ou em grupo) e realizo eventos de Finger Food.


Oferecimento:

segunda-feira, 10 de novembro de 2014

Um ditador em Santa Rita do Sapucaí

O Brasil vivia a ditadura militar quando o presidente Costa e Silva desembarcou em nosso pequeno campo de aviação para paraninfar os formandos do Inatel, o que aconteceria no auditório da ETE FMC. Através de uma reportagem veiculada pelo jornal “O Estado de São Paulo”, em 23 de março de 1968, podemos conhecer detalhes interessantes da passagem de um presidente por Santa Rita do sapucaí.
Faixas e bandeirolas coloridas, toda a cidade nas ruas e um minucioso esquema de segurança aguardavam o Marechal Costa e Silva, em Santa Rita do Sapucaí. O avião presidencial pousou no aeroporto local às 10 e 20, quando o governador, Israel Pinheiro, secretários de estado, o prefeito e numerosas autoridades já estavam à espera, há mais de 30 minutos. Após passar em revista a tropa e cumprimentar as autoridades, o chefe do governo seguiu com o governador para a Escola de Eletrônica, percorrendo, em 20 minutos, os 10Km que separam o aeroporto da cidade. Um cortejo de cerca de 2000 (sic) carros o acompanhou.

Chegando à escola, o presidente cortou a fita de inauguração das novas instalações e dirigiu-se ao auditório onde cerca de 2000 (sic) pessoas se acotovelavam. Abrindo a solenidade, o prefeito Arlete Telles Pereira saudou o chefe da nação, fazendo-lhe entrega do título de Cidadão honorário, concedido pela Câmara Municipal.

Teve início a formatura do Inatel, quando foi composta a mesa e o presidente fez a entrega simbólica dos diplomas aos formandos, representados pelo primeiro aluno da fila, e proferiu o seu discurso. Antes, porém, reverenciou a memória de Sinhá Moreira e pediu que todos se levantassem e fizessem um minuto de silêncio em memória da fundadora da Escola de Eletrônica.

A certa altura, um garotinho maltrapilho, mas totalmente desinibido, postou-se diante do presidente e perguntou ao diretor da ETE, Padre Vaz, que estava ao lado: “Padre, esse aí que é o Costa?” O padre disse que sim, o presidente achou graça e afagou a cabeça do garoto. Não satisfeito, fez outra pergunta: “Aquele velho é que é o Israel?” O presidente achou mais graça ainda, o governador esboçou um sorriso e o menino saiu desenvolto.

No momento em que o presidente e o governador entravam no carro, diante da escola, uma professora primária, com voz estridente, gritou: “Viva o governador do Estado!” Houve um silencia de expectativa, mas ninguém se entusiasmou em responder.

Dali, a comitiva presidencial seguiu para o Inatel, em visita às pressas. Meio dia e meia, em ponto, o marechal Costa e Silva embarcou novamente no avião, com destino ao Rio de Janeiro. 

O governador ficou na cidade e almoçou na casa do Deputado Estadual Bilac Moreira Pinto, filho do embaixador Bilac Pinto, cuja família é natural de Santa Rita do Sapucaí.

Oferecimento:

sexta-feira, 7 de novembro de 2014

Última semana de inscrição para o vestibular FAI

Ainda há tempo. As inscrições para o vestibular FAI encerram em 13 de novembro. Para o curso de Administração são oferecidas 60 vagas no período diurno e 120 vagas no noturno; para Sistemas de Informação, 50 vagas no período diurno e 50 no período noturno; já para Pedagogia, 60 vagas somente no período noturno. Para o curso Engenharia de Produção são oferecidas 60 vagas no período diurno e 60 vagas no período noturno.
As provas serão realizadas em 15 de novembro em Santa Rita do Sapucaí, Pouso Alegre e Itajubá.

Faça sua inscrição pelo site: www. fai-mg.br ou pessoalmente no campus da Faculdade: Av. Antônio de Cássia, 472 - Santa Rita do Sapucaí.
Informações pelo telefone 3473-3013 ou pelo e-mail:vestibular@fai-mg.br

ETE FMC está com inscrições abertas para o processo seletivo

Santa Rita do Sapucaí, 7 de novembro de 2014 – Estudantes que desejam cursar o ensino técnico na Escola Técnica de Eletrônica Francisco Moreira da Costa (ETE), em Santa Rita do Sapucaí, sul de Minas Gerais, têm até o dia 28 de novembro para fazer a inscrição. A prova será realizada no dia 6 de dezembro e cobrará dos candidatos conhecimentos em português e matemática. São 160 vagas para o curso técnico diurno, concomitante com o Ensino Médio, e 120 vagas para o noturno.
A ETE é a primeira escola técnica da América latina e tem a tradição de ensino de referência no Vale da Eletrônica, como é conhecida a região onde está localizada. O exame de qualificação ocorre sempre no final de cada ano, e procura selecionar os candidatos com melhor desempenho para as vagas. Os cursos disponíveis na ETE são nas áreas de Automação Industrial, Eletrônica, Telecomunicações e Equipamentos Biomédicos.

O curso diurno tem duração de três anos e está aberto a estudantes formados no Ensino Fundamental e que estão para ingressar no 1º ano do Ensino Médio. A grade curricular será composta por aulas do curso técnico (2360 horas/aula) e também do Ensino Médio (2760 horas/aula). Já o curso técnico noturno (1600 hs/aula) tem duração de dois anos e podem se inscrever estudantes que já completaram o Ensino Médio ou que ainda farão o 2º e o 3º anos do Ensino Médio.
“Nossa proposta é oferecer uma educação que contemple a formação humana, o uso da tecnologia em cursos técnicos e ensino médio, além de um alto índice de aprovação nos vestibulares. Esta tendência, a qual chamamos de 'Educação em três dimensões' utiliza todos os recursos disponíveis em nosso campus e faz da ETE esta escola tão diferenciada.”, afirma o professor Alexandre Loures Barbosa, diretor geral de ETE FMC.

Os estudantes também podem optar por cursar somente o Ensino Médio, para o qual a inscrição é feita por ordem de chegada. A ETE também oferece bolsa de estudos para alunos com necessidades econômicas comprovadas. Essa solicitação deve ser feita junto à secretaria da escola.
Inscrições:

Processo Seletivo do curso técnico: Inscrições até o dia 28 de novembro pelo site www.etefmc.com.br ou direto na secretária da ETE. Mais informações no telefone (35) 3473-3600

-Prova dia 6 de dezembro. Garante vaga o desempenho alcançado na prova

Ensino Médio: Inscrições pelo site www.etefmc.com.br ou direto na secretária da ETE FMC. Mais informações no telefone (35)3473-3600

Carga horária: 3840

-Sem prova. Garante vaga a ordem cronológica de chegada.
ETE FMC – Desde sua fundação em 1959, a ETE FMC (www.etefmc.com.br), da Rede Jesuíta de Educação, passou a ser referência em educação por abrigar a primeira escola de eletrônica de nível médio da América Latina e a sétima no mundo, que atrai estudantes de todo o País. Com cerca de 750 alunos, nos períodos diurno e noturno, oferece os cursos de Automação Industrial, Telecomunicações e Equipamentos Biomédicos, além de Ensino Médio. A região é conhecida como o “Vale da Eletrônica” - referência ao Vale do Silício na Califórnia (EUA) - de onde muitos produtos e sistemas tecnológicos inovadores são lançados para o mercado nacional e internacional. Boa parte deles nasce dentro da escola.

quinta-feira, 6 de novembro de 2014

Os últimos dias de Fernando da Gata

Quem viveu na região por volta de 1982, certamente conhece a história de Fernando da Gata. Com apenas 21 anos, o migrante cearense causou grande pânico por onde passou, até ser morto em Santa Rita do Sapucaí. Conheça a sua história através de uma reportagem de Luiz Fernando Emediato.
O ladrão está morto

Na garagem da delegacia, metido num caixão, trajando terno e gravata, com os braços estendidos “porque a um demônio não se cruzam as mãos”, Fernando da Gata estava morto.
Morto e exposto como um troféu ou animal cuja caçada merecesse a realização de um espetáculo. Calcula-se que 60 mil pessoas de Pouso Alegre e das cidades vizinhas entraram na fila para ver o corpo do “perigoso facínora”: um migrante nordestino que estava “sujo” na polícia cearense, viajou para São Paulo, trabalhou como servente de pedreiro e acabou roubando casas e estuprando pessoas, segundo a polícia, que o batizou de “Fernando da Gata” por sua agilidade e o tornou famoso.

A lenda durou menos de dois meses. Do anonimato para as manchetes dos jornais, depois de lances dramáticos, Fernando fugindo pela mata como um animal selvagem, seminu, todo ferido e sangrando, cruzando rios a nado, trocando tiros com a polícia e até sendo esfaqueado por um bêbado. Depois de vários confrontos, foi encontrado morto no meio de árvores por cães policiais. Ninguém sabe ao certo quem o matou, tantos tiros recebeu. Na sua bolsa, havia um chapéu, calça, camisa, quinze cruzeiros, uma correntinha de metal vagabundo, um envelope de antibiótico e um exemplar do jornal Notícias Populares com a manchete: “A ordem agora é castrar Fernando da Gata”.

Era o fim. Para ele e para a população que, agora, respirava tranquila. Durante todo o dia, milhares de pessoas expressavam um ódio irracional e homicida. Houve quem quisesse tomar o cadáver, amarrá-lo num carro e arrastá-lo pela rua. “Que pena que está morto” - dizia um vendedor de vassouras - “Devia morrer devagar.”

O destino de Fernando da Gata foi ter morrido assim, em plena e trágica glória, aos 21 anos, e tão lendário quanto os mais experientes bandidos. Agora, estava esticado com os olhos ainda arregalados, boca semiaberta. 

- Quantas pessoas ele matou? – perguntou alguém.

Perplexas, as pessoas respondiam que nenhuma. Havia apenas a notícia de que teria matado alguém no nordeste. Para justificar a carnificina, alguém lembrou que ele teria estuprado menores em São Paulo. 

- Ah! Eu não disse? gritou um sujeito alegre na fila. 

Esticado no caixão, Fernando Soares Pereira deixou uma viúva, Maria de Fátima Félix da Silva, 19 anos, e um filho de seis meses, Vitor. 

A história

A trágica e absurda história de Fernando da Gata começou em abril de 1982, quando aconteceram, em São Paulo, dezenas de assaltos e estupros praticados, aparentemente, pelo mesmo homem. As investigações chegaram a Russas, no Ceará, onde a policia procurava um assaltante com o mesmo modus operandi. A polícia chegou, então, ao migrante nordestino Fernando Soares Pereira. Seria ele o estuprador. 

A história de Fernando não seria diferente da de milhares de outras envolvendo migrantes nordestinos que chegam a São Paulo em busca de emprego e vida melhor. Ele chegou com a mulher grávida. Seu filho nasceu enquanto trabalhava na construção civil. Os policiais descobriram o endereço do seu emprego e, posteriormente, do posto de saúde de Maria de Fátima, onde buscava leite doado às crianças carentes. E então o encontraram.

Oito policiais invadiram a sua casa e o encontraram na sala com a mulher e o filho. Escudando-se na mulher e na criança, afirmam os policiais, ele conseguiu fugir, não sem levar um tiro na perna, deixando, atrás de si, um rastro de sangue. 

Quase 200 policiais estavam no seu encalço. A razão de tamanha perseguição? Fernando era acusado de ter assaltado mais de 20 mansões e ter estuprado várias menores, filhas de famílias ilustres. Os pais ofereciam boas recompensas para quem o pegasse, de preferência morto.

Pânico na cidade

Quando o “Fantástico” deu a descrição do bandido, a população não duvidou: Fernando estava em Pouso Alegre e já era responsável por três assaltos, desde a noite de sexta-feira. As vítimas reconheceram sua fotografia e a cidade entrou em pânico. 

Esgotaram-se nas lojas os estoques de revólveres, carabinas e garruchas. Trincos, cadeados, correntes e fechaduras passaram a ser vendidos no câmbio negro. O bispo, Dom José D’Angelo, conta que um amigo comprara um revólver e, ao mostrar à mulher, ela levantou o travesseiro e mostrou outra arma: “Eu também comprei uma.”

“A cidade entrou num estado de neurose e tensão – disse o bispo. Nesse dia mesmo, já prevendo a tragédia, adverti que matar não era humano, nem mesmo ladrões, e que pessoas erradas poderiam morrer.” Começou, então, uma série de telefonemas anônimos em que as pessoas se identificavam como o assaltante e diziam: “O próximo vai ser você!” Um homem que matou a filha recebeu uma ligação dessa na véspera.

Caçada

A cidade entrou num delírio de histórias fantasiosas. As ruas esvaziavam-se às primeiras horas da noite e crianças choravam ao menor ruído nas casas. Armas eram apontadas em direção de sombras, geralmente por pessoas trêmulas que jamais haviam visto um revólver. O delegado, espantado, foi à Rádio Clube na companhia do bispo e de outras autoridades para tranquilizar a população.

Não deu resultado. Já se pensava até em organizar patrulhas civis para caçar o assaltante. O pânico aumentou quando a população soube que o Fernando havia escapado da armadilha montada pela polícia. 

De meia em meia hora, em edições extraordinárias, a Rádio entrou em regime de guerra estendendo o plantão madrugada a dentro.

Morte

A morte chegou mais perto de Fernando Soares Pereira, quando tentou roubar um bêbado numa trilha próxima a Cachoeira de Minas. O homem defendeu-se dando uma facada certeira em Fernando que fugiu berrando de dor. O bêbado, que também estava armado com um revólver, deu-lhe ainda dois tiros, mas errou. Eram duas da madrugada de uma sexta-feira.

A polícia seguiu no encalço de Fernando, enquanto policiais paulistas seguiam para a região de Varginha onde um sujeito parecido foi visto pedindo carona. O rapaz fugiu pela mata, em direção a Santa Rita do Sapucaí. Nervosos, setenta militares seguiram para Santa Rita, comandados pelo capitão Odilon José Gomes. Ao meio-dia da sexta-feira fizeram uma varredura na região com o auxílio do tenente Figueiredo, comandante do pelotão de Santa Rita. 

Por volta das 19 horas, receberam a notícia de que um homem tentara agredir duas moças num cafezal, mas que elas tinham conseguido fugir.  Ali, receberam a notícia de que um rapaz só de cuecas, ferido, aparentemente desorientado, vagava pelas imediações do Tiro de Guerra de Santa Rita. Já era noite quando o descobriram lá e atiraram nele. O assaltante correu em direção ao rio Sapucaí e, mesmo ferido, atravessou a nado 30 metros de água fria. Do outro lado, esperava-o o sargento da guarda florestal, José Lúcio Campos, que atirou nele. Fernando caiu ferido outra vez, mas conseguiu levantar-se e cruzar o rio de volta, num esforço quase sobrenatural.

É difícil que tenha conseguido atravessar o rio nadando e com um revólver na mão, mas a polícia jurava que ele assim o fez. No outro lado, ele conseguiu desnortear os policiais e, só pela madrugada, o corpo foi encontrado. Segundo a PM, estava no meio de umas árvores, todo ensanguentado e rasgado. Seus objetos não estavam com ele. Tinham sido encontrados muito antes em outra região, onde uma mulher idosa, ao vê-lo ferido, tentou segurá-lo, mas desistiu quando Fernando gritou: 

- Pelo amor de Deus, me deixe fugir!

E assim fez, saltando um estábulo e se embrenhando na mata. 

“Queríamos pegá-lo vivo. – garantiu o tenente-coronel Itamar – mas não foi possível. Nem sei quem o matou. Ninguém viu, estava escuro. Foi morrendo aos poucos, de hemorragia. Devia estar há uns 3 dias sem comer e sem descansar. Pode ter morrido de esgotamento. Foi uma operação implacável.”

Sem nenhum familiar para resgatar o corpo, Fernando Soares Pereira seria enterrado em uma cova rasa, no cemitério de Pouso Alegre.

quarta-feira, 5 de novembro de 2014

A família de Renato Gomes agradece

"A família de Renato Gomes (Renatinho) agradece imensamente as demostrações de carinho e as preces dirigidas. Foram tantos amigos que estiveram conosco, ainda que em pensamento, nos ajudando a suportar momentos tão difíceis. Muitíssimo obrigada a todos e que Jesus nos ilumine e fortaleça ainda mais a nossa fé!" - Kátia Maria.