Economia Criativa impulsiona turismo em Santa Rita do Sapucaí

Crédito: Pousada do Barão
Crédito: Pousada do Barão

Cidade vem se fortalecendo como destino para quem valoriza tranquilidade, produtos locais, natureza, gastronomia e artes.

A designer paulistana Luciana Gomes nunca tinha ouvido falar de Santa Rita do Sapucaí até que em meados de 2016 recebeu a incumbência profissional de visitar um evento do qual também nunca havia ouvido falar. Cheia de receios, participou da segunda edição do HackTown, festival de inovação e criatividade atualmente considerado o mais importante do gênero no Brasil. “Foi amor à primeira vista”, conta ela, que desde então voltou à Santa Rita outras sete vezes. “Tirando meu retorno às duas edições seguintes do HackTown, as outras cinco foram em finais de semana convencionais, onde consegui visitar locais simplesmente maravilhosos e frequentar cafés e restaurantes que conseguem unir qualidade, o aspecto rural da região, e a receptividade que só Santa Rita oferece, em uma combinação impossível de encontrar nas grandes cidades”.

O movimento turístico em Santa Rita do Sapucaí não é novo. Há mais de uma década o Bloco do Urso atrai milhares de jovens do Brasil todo para um dos carnavais mais badalados do país, o polo tecnológico do Vale da Eletrônica com suas empresas, congressos e escolas atrai visitantes em busca de oportunidades, além de uma das principais pistas de voo livre do país, que fica na cidade, e traz praticantes do mundo inteiro ao pequeno município de 40 mil habitantes. Nos últimos anos, entretanto, o movimento tem se consolidado com a crescente de eventos que vem tomando conta de Santa Rita, em que se destacam o próprio HackTown e festivais como o Cidade Criativa Cidade Feliz, Floydianos, Sabores do Vale, Vale Music, Beer Day, Música a Domicílio e o Festival Internacional de Teatro, que contou com grupos de diversos países em sua primeira edição em 2018, além de acontecimentos esportivos, como a série de amistosos da seleção brasileira sub-19 de vôlei no Inatel no início de setembro, e as corridas pelas estradas rurais que já se tornaram tradição.

Crédito: Bruno Mazzer

Crédito: Bruno Mazzer

A empresária Paula Dias, que há cerca de cinco anos lançou a marca de café Grandpa Joel’s e hoje conta também com uma charmosa cafeteria familiar que comercializa os produtos da marca assim como de outros produtores locais, destaca  o papel dos eventos criativos na construção do público que opta por fazer turismo em Santa Rita do Sapucaí. “É sempre positiva a visibilidade que os eventos promovem para com diferentes públicos e diversas regiões do país e até exterior, nos colocando em evidência durante e após suas realizações”, destaca. “Hoje, praticamente 80% do nosso público é de fora. Muitos retornam ao café e outros continuam consumindo pelo nosso e-commerce”, complementa Paula, que também passou a realizar pequenos eventos com foco no desenvolvimento da comunidade local em seu estabelecimento. “Em parceria com A Casa do fazer, empreendimento criativo local com foco em educação informal, foi instalado em frente ao café um parklet, mini praça de madeira que ocupa o lugar de uma vaga de estacionamento, onde estão sendo realizados pequenos shows, palestras e até mesmo exibição de filmes de domínio público.

Crédito: Arquivo HackTown

“Quando comecei a frequentar Santa Rita do Sapucaí, há cerca de 10 anos”, conta o empresário paulistano Ignácio Alves, “não havia muita estrutura turística além da parte tecnológica e educacional”. “Você podia visitar lindas plantações de café, mas era raro encontrar bons exemplares da bebida para consumo, lugares aconchegantes para se hospedar, bons restaurantes, boa música ao vivo”, lembra Alves, que possui um sítio na região. ”Hoje existem excelentes restaurantes, bares, empórios, cervejarias e cafés, como a Casa do Pi, Armazém Andery, ACS Beer, Libertas Brew Pub, Adega do Patrão, Grandpa Joel’s, entre muitos outros, pousadas que por si só já valem a viagem, como a Pousada do Barão e o Chalezinho, além de muito mais variedade de produtos feitos na região, como geleias, queijos, vinhos, embutidos, cachaças, cervejas artesanais e inúmeros tipos de café”. “Há também muito mais arte na cidade, como a galeria de grafite da Beira Rio e os espetáculos no teatro Inatel”, conta. Porém, nem tudo é perfeito, destaca Alves. “A falta de infraestrutura de acesso a locais turísticos como o Santo Cruzeiro e a Serra do Paredão e a falta de informação para os visitantes acaba fazendo falta”, afirma.

“Santa Rita é um lugar muito especial”, conta a publicitária paulistana Danielle Meres, que há três anos vai ao HackTown e, desta vez, foi às margens do Rio Sapucaí ver de perto a revoada das Garças. “Foi mágico. Por um momento, parece que o tempo parou”, destaca. Outra publicitária, a curitibana Ana Dias, que também participou do HackTown 2018, conta que acabou ficando uma semana além do evento para conhecer melhor a região. “Santa Rita é uma excelente base para conhecer uma das regiões mais lindas do país. Fomos em várias cidadezinhas, pegamos inúmeras estradas de terra, comemos muito bem e conhecemos muita gente interessante”, conta Ana. “Retornei apaixonada pelo Sul de Minas e quero voltar em breve com a família toda”.Crédito: arquivo Grandpa Joel’s

Outro que esteve no HackTown e já está de malas prontas para retornar a Santa Rita é o empresário do mercado musical Felipe Llerena. Residente no Rio de Janeiro, ele se encantou com o município. “Trabalho com música e tecnologia há décadas, estou perto das pessoas que trabalham com inovação e achei Santa Rita um lugar muito inspirador”. Segundo Llerena, é um brasil de menor proporção, com pessoas muito interessantes e uma vida mais calma, onde as pessoas têm um dia a dia mais focado, diferente da rotina na cidade grande. “Por isso é que vou voltar”, ressalta.

Todo este movimento vem ajudando a transformar a Economia Criativa em mais um dos pilares econômicos do município, ao lado da agricultura e da produção de tecnologia. Outro exemplo deste movimento que vem ganhando destaque nacional é o da fabricante de cervejas especiais Pos-Doc, que acaba de se estabelecer na Incubadora Municipal de Empresas de Santa Rita do Sapucaí, iniciativa pública que até pouco tempo focava apenas em empreendimentos de base tecnológica. “A abertura da incubadora municipal para empresas de base criativa foi o ponto inicial para a nossa migração para cidade”, conta o Prof. Francisco Eduardo de Carvalho Costa, fundador da Pos-Doc. “Outros pontos foram a existência de parcerias e vários grupos com histórico colaborativo em Santa Rita”, complementa. “Vimos a oportunidade de incentivar o consumo e valorização de produtos locais, principalmente nos eventos que prezam pela economia de experiências e souvenir gastronômico. Esse conjunto de fatores aliado ao apoio e possibilidades foram decisivos na migração da empresa e também, em breve, na nossa mudança para Santa Rita”, conclui Francisco.

Informe Publicitário:

NO COMMENTS

LEAVE A REPLY